Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


961510.jpg

Enquanto que os outros estão esta semana a jogar na Liga dos Campeões e na Liga Europa, nós ficamos a jogar na Playstation - parafraseando Jorge Jesus.

 

Jorge Jesus esse, que graças ao palhaço (não é assim, Vítor Espadinha?), está livre para desvalorizar as competições-europeias.

 

Na época passada ele lá fez o frete de ganhar ao Besiktas e passarmos assim a fase-de-grupos, não deixando de dar a bicada aos "profetas da desgraça", isto, porque se sentiu "apertado", e bem, para não inventar contra o Besiktas.

Porque ele tanto inventou durante a fase-de-grupos, que demo-nos ao luxo de contribuir para a primeira vitória de uma equipa albanesa nas competições europeias, ao perdermos por 3-0 contra o Skenderbeu.

Já nos 16 avos-de-final contra o Bayer Leverkusen, ficou-se claramente com a sensação que a eliminatória a ser levada a sério, os alemães estavam mais que ao nosso alcance!

 

E no termo da época, o que ganhamos? "Bola"! Sim, bem sei que ele venceu o prémio Rui Santos e que os soldadinhos foram tentar tapar o sol com a peneira relativamente ao Azevedo quando foram "festejar" os 86 pontos conquistados no campeonato, quando o Ferrari do Rui Vitória conseguiu ainda mais 2. Aparentemente ficou tudo feliz.

 

De tão felizes que "ficamos", nada melhor do que aumentar o ordenado do "Jota Jota" de 6 milhões para 8 milhões. Afinal, o homem apresentou "obra".

Ora, o Zidane, aquele que é treinador do maior clube do mundo e actual campeão europeu, ainda só vai nos 5 milhões de ordenado.

Enfim, coisas à palhaço!

 

Na época seguinte, face à contratação de jogadores como Elias, Markovic, Bas Dost, etc etc, esperava-se algo mais para esta época.

 

Mas esta época consegue ser pior que a anterior, tanto na Europa como nas restantes competições, restando-nos somente lutar pelo 3º lugar com o Sporting de Braga!!!

 

Eles até tremem!

 

Enfim, o tal projecto que assentava numa cultura-de-exigência, dá-nos hoje para um palhaço se dar ao ridículo de dar voltas olímpicas depois de um jogo contra o Praiense ou depois de uma vitória obtida nos descontos no Restelo!

 

Afinal, o palhaço sente a necessidade de dar nas vistas, visto que fora deste Circo, mais ninguém lhe dará trabalho, e portanto, não o deixem cair!

 

Mas, vá lá, talvez no Circo Cardinali ou numa qualquer Casa dos Segredos lhe peguem, visto que Vespas e romances são com ele!

 

Olhando para essa imagem, fico com a sensação que se num passado recente conseguimos chegar a uma final com a motivação de a jogarmos em casa, porque não deveríamos ter hoje a motivação para simplesmente chegar a uma final e exorcizar aquele fantasma de 2005?!

 

Aliás, qual é actuamente o nosso lugar no ranking da UEFA, e de que forma temos contribuído para que o futebol português vá ganhando mais uns pontos?

 

Alguém acredita que na próxima época o registo será diferente? Jorge Jesus ao fim de duas épocas vai levar para casa, no mínimo, cerca de 14 milhões de euros, e o Sporting, o que ganhou?! Aquele joguinho de pré-época a que chamam de Supertaça? É isso que nos dão em troca?!

A Supertaça que só foi possível graças ao treinador que foi despedido por justa causa porque durante a época tinha uma agenda contra o palhaço, ao recusar-se a ser conivente com palhaçadas?!

 

Infelizmente foi a um Circo que nos reduziram, ou que permitimos que nos reduzissem...

 

Pedro Madeira Rodrigues terá que ser muito fraco para não abrir os olhos a muitos dos sócios que ainda acreditam que a palhaçada é o caminho certo!

 

Sócios que só pelo simples facto de uns quantos terem sido processados por denunciar na internet os malabarismos do Circo actual, já os deveria pôr a reflectir... 

 

E por falar em malabarismos, para quando a auditoria que o sócio Pedro Paiva dos Santos quer pagar? Há malabarismos a esconder?!

 

Um dia, vamo-nos todos perguntar como chegamos a isto!...

 

Enfim, bora mas é desfrutar do jogo do Manchester United que passará hoje na SIC...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

phpThumb.jpg

Por mim, nos estatutos seria proibido o presidente ser remunerado, da mesma forma que ninguém podia ser presidente do clube e da SAD ao mesmo tempo.

Se alguém quiser ser presidente, que seja financeiramente-independente, e entregue a gerência da SAD a quem percebe de futebol.

Já seria um bom principio para termos alguém que defendesse de verdade o clube e tivesse a independência suficiente, nem que fosse para se demitir quando já se achasse a mais...

Agora com presidentes do clube e da SAD ao mesmo tempo e com remunerações de luxo, nunca teremos garantias do clube estar a ser defendido de verdade. Com Bruno de Carvalho temos um culto-de-personalidade, e só lhe interessa manter o emprego por mais 4 anos. Acho que é tão evidente, que só um cego não vê...

 

Naturalmente que um presidente da SAD teria que o ser a tempo inteiro e remunerado.

Mas tendo o Sporting (ainda) a maioria da SAD, com um presidente financeiramente-independente, este seria uma figura de "estado", digamos assim. Uma figura com legitimidade para tirar e pôr um determinado dirigente dentro de uma SAD, sem que pudesse interferir directamente na gestão do futebol e da SAD presidida pela pessoa por si escolhida.

 

Por exemplo: o presidente da República é o máximo representante do país, mas não é ele quem governa. Todavia, tem legitimidade para destituir um Primeiro-ministro. Quem governaria, neste caso, seria o presidente da SAD.

 

O presidente apenas teria que acautelar se os verdadeiros interesses do Sporting estariam a ser defendidos. E para que tivessemos essa "certeza", o presidente não podia ser remunerado nem lhe seria exigido que lá estivesse a tempo inteiro. Logo, teria que ser alguém financeiramente-independente, para que não houvesse o risco de termos candidatos oportunistas em tempos de crise (que é quando as massas estão mais vulneráveis para ouvir os chamados "banhas-da-cobra").

 

Vejamos a fórmula que nos levou ao título na época de 1999-2000: José Roquette não sendo um homem do futebol, preferiu entregar a SAD a alguém que tinha experiência na área, neste caso, a Luís Duque.

Não deixando José Roquette de ter sido importante noutros sectores, nomeadamente a nível estrutural e de representação do clube.

 

Em suma:

 

O presidente do clube teria que ter história a vários níveis: currículo, dinheiro, e uma dedicação a 100% sem querer nem poder receber nada em troca; e nunca podendo exercer a função de presidente da SAD. Presidente da SAD esse, que seria escolhido pelo presidente do clube, ou teria um maior peso na sua escolha, pois o Sporting Clube de Portugal embora detenha a maioria da SAD, não está naturalmente sozinho dentro da sociedade. 

 

O presidente da SAD seria um homem com passado no futebol, remunerado e a tempo inteiro, não deixando de ter o escrutínio de quem tem a maioria da SAD a que preside: o presidente do clube.

 

Isto não iria pôr em causa a democracia dentro do Sporting. Cada macaco no seu galho, e o presidente serve precisamente para administrar, e não tem que gerir de forma directa todos os sectores do clube. Tem é que saber rodear-se das pessoas certas para os lugares certos.

Se no final do mandato a equipa administrada pelo presidente do clube não estivesse a corresponder às espectativas, os sócios poderiam perfeitamente eleger outro presidente, naturalmente...

 

Escrevo este artigo, pois parece-me que apesar da criação da SAD, o Sporting não se soube suficientemente blindar contra pára-quedistas.

 

Ou alguém julga que um jovem desempregado que não se conhece o seu passado teria sequer hipóteses de ser candidato nestas circunstâncias? 

 

Basicamente, o Sporting precisa que hajam sportinguistas que apresentem as suas ideias e os seus projectos, estando o clube completamente blindado contra projectos pessoais através do Sporting.

 

Por um Sporting livre e independente!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Devem ainda estar lembrados, que nas eleições de 2011, a grande bandeira da candidatura de Bruno de Carvalho foram os "famosos" fundos russos.

 

Passado 1 ano, em plena Assembleia-Geral, incentivou os sócios a chumbarem as propostas da então direcção, porque a solução estaria nos seus fundos russos e... americanos. Tudo somado, daria um investimento de 120 milhões de euros.

 

Passado mais 1 ano, desta feita em novas eleições, Bruno de Carvalho prometeu a poucos dias das eleições, que havia parceiros interessados a investir 15 a 20 milhões no imediato.

 

Tendo vencido as eleições e tendo tomado posse, o que constatamos aos fim de alguns dias? Que Bruno de Carvalho, afinal, nao tinha qualquer investidor, e foi a muito custo que lhe entregaram a reestruturação-financeira que já se tinha iniciado.

 

Recordemos através deste link, a célebre tarde de Abril em que a própria presidencia de Bruno de Carvalho esteve em risco.

 

Mais tarde, João Pedro Paiva dos Santos, acusou Bruno de Carvalho de querer tirar os louros de uma reestruturação-financeira que já existia. Aquilo que só um cego não quer ver...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Slimani raspadinha.jpg

Lá estou eu a ser do contra e a remar contra a maré. Mas, tendo em conta as mais de 100 contratações (cirúrgicas?) da era Azevedo, não se poderá dizer que a venda de Slimani é como uma raspadinha?

 

Eu quando saio é raro não comprar uma ou outra raspadinha. Umas vezes de 1€, 2€, 3€, ou no máximo 5€. Isto, já há alguns anos.

De certa forma é um vicio. Um mau vicio, admito.

 

Já Bruno de Carvalho, aquando da campanha-eleitoral, prometeu que a base da equipa seria a formação, e que a contratar jogadores, só se fossem mais valias claras, apelidando-os de "contratações cirúrgicas".

 

Mas, se eu tenho o mau vicio das raspadinhas, parece que Bruno de Carvalho tem o vicio de contratar jogadores. O termo "cirúrgico" afinal, foi uma grande treta.

 

Através deste artigo [abrir o link a verde] se constata o efectivo vicio de Bruno de Carvalho.

 

E por falar em vicio, lembro-me que Bruno de Carvalho no célebre programa norte-coreano A Hora do Presidente, afirmou que os fundos e tudo o que os envolve são como as drogas: criam dependência [abrir o link a verde].

 

E, lá vou eu mais uma vez insistir com dois artigos já por mim publicados, que denunciam todas as contradições acerca do que tem sido o discurso de Bruno de Carvalho, que envolvem contratações, fundos, agentes, empresários e comissionistas.

O artigo Afinal era tudo treta e o artigo Afinal era tudo treta - parte II [abrir o link a verde].

 

O vicio de Bruno de Carvalho aparenta ser muito envolto em tentativas de o camuflar a todo o custo. Nada que uma boa auditoria não nos possa esclarecer relativamente ao porquê desse vicio - não acham?

 

Bem, já eu, o máximo que ganhei nas raspadinhas foram 200€, que duvido que tenham sequer compensado o que desde há anos fui gastando e continuei a gastar em novas tentativas.

 

No caso de Bruno de Carvalho, acredito que a raspadinha Slimani possa continuar a camuflar algo que precisa de ser esclarecido. Até porque, se a "raspadinha" Slimani compensa as restantes despesas em contratações e ordenados de dezenas e dezenas de flops, até acaba por ser o menos importante.

 

PS: João Mário tem muitos mais anos de casa do que própriamente Bruno de Carvalho. Só para que fique desde já claro.

 

PS2: E eles lá continuam a querer desviar atenções de questões pertinentes falando dos outros. Até quando, Zé Quintela?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

510025086.jpg

O futebol português, a nível financeiro, não tem a força de outras Ligas. Somos de um campeonato em que formamos para vender, ou compramos barato para vender caro.

E esses jogadores têm essa noção. A noção que o campeonato português é apenas um passo para atingirem a qualidade e maturidade suficientes para darem o "salto".

 

No caso do Sporting, temos, no mínimo, 5 jogadores em condições de gerarem mais-valias financeiras. Casos de Rui Patrício, William Carvalho, Adrien Silva, João Mário, e Slimani.

 

Claro que vende-los todos seria suicídio a nível desportivo. Mas, como qualquer outro clube português, o Sporting precisa de vender.

 

Rui Patricio e Adrien são para manter, nem que seja pelo facto de serem os capitães.

Já William Carvalho, penso que ainda justifica a permanência por mais uma época, já que me parece que de certa forma, estagnou no seu processo de evolução, e sendo talvez a posição de trinco a mais importante num esquema táctico, tão cedo não conseguiríamos outro jogador com semelhante qualidade. Ainda pode evoluir mais um pouco e, posteriormente, ser vendido.

 

Agora, Slimani e João Mário, na minha opinião, deveriam ser vendidos.

 

Slimani custou 300 mil euros, já conta com 28 anos, e no futuro, não valerá muito mais. Tendo já cumpridas 3 épocas de leão ao peito, este seria o momento de o deixar partir para outros desafios...

Já João Mário, um jogador da formação, penso que é indiscutivelmente o melhor jogador da equipa. Já jogou 2 épocas na equipa principal do Sporting, e o clube não está em condições de recusar propostas entre os 40 e os 50 milhões de euros. Até porque, por variadíssimas razões, há a possibilidade do jogador se desvalorizar.

 

O Sporting ficaria mais fraco sem esses 2 jogadores? Penso que não. O fundamental é o treinador dar continuidade aos processos que já vinham da época passada, e com uma inteligente ida ao mercado, e com um treinador tão bem pago, penso que não seria por ai...

 

A questão é que uma parte significativa das vendas, são obrigatoriamente para abater divida com entidades bancárias.

 

Mas, se Bruno de Carvalho tivesse cumprido com as suas promessas eleitorais, teria sobrado mais dinheiro para abordar o mercado de outra forma ao longo destes 3 anos...

Já nem vou pela questão dos investidores que nunca existiram...

 

Fico-me somente pelas tais "contratações cirúrgicas". De momento, já passamos a barreira dos 100 jogadores contratados nos últimos 3 anos! É notável!

 

Quantos "pongoles" não cabem no meio de tanto "entulho" contratado, e com pouca ou nenhuma valorização?

Quem não leu, recomendo a leitura deste post do blog Camarote Leonino, para que tenha uma noção do que estou a falar.

 

Agora, arriscamo-nos a ficar com jogadores contrariados dentro do plantel, e com o risco de não obter o devido retorno financeiro. 

 

Bruno de Carvalho não está interessado no longo-prazo. Está interessado no curto-prazo.

Um curto-prazo que lhe pode valer a reeleição e a consequente manutenção do emprego, caso a equipa mantenha mais ou menos o mesmo nivel da época passada. Na falta de um verdadeiro projecto para o Sporting, Bruno de Carvalho não olhará a meios, e jogará, como sempre, com as aparências.

Porque uma equipa pode ser a melhor do mundo, mas um presidente, na minha opinião, tem que ser avaliado somente pelo seu projecto, que passa também, pelo médio\longo prazo.

De que vale jogarmos tudo numa só época, se não haver uma estrutura consolidada para os anos seguintes?

 

O facto do Sporting pagar 6 milhões\ano a um treinador, e consequentemente ter disparado a massa salarial; numa época em que não conseguimos a Champions, perdemos com a Doyen e empurramos as VMOCS com a barriga; mas, ter a coragem de afirmar que em Janeiro recusou 80 milhões por um jogador, é a prova que Bruno de Carvalho quer contrariar a realidade, e preparar o subconsciente dos sócios e adeptos: que o Sporting não precisa de vender. O que é uma mentira!

 

Mais uma evidência que Bruno de Carvalho não está no Sporting a bem. E lá mais para a frente, se este tipo de gestão virada para o populismo continuar, o Sporting pagará uma enorme factura. Restará saber é onde Bruno de Carvalho estará... 

 

Ah, e foi o próprio Bruno de Carvalho quem apelou aos sócios, em plena Assembleia-Geral, para não o deixarem cair...

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

hernan-barcos-lamentando-sporting-efe-715.jpg

Ainda no decorrer do campeonato, faltando 5 Jornadas para concluir a prova, escrevi um artigo a questionar a troca Montero\Barcos.

 

Nesse artigo, realcei a importância de Montero nas épocas em que jogou de Leão ao peito; e fundamentalmente, no decorrer da época passada, em que com seus golos e assistências, saindo do banco, contribuiu directamente em 8 pontos.

 

Como também não fiz esquecer a célebre capa do Correio da Manhã, em que deu a entender, que alguém lucrou 2 milhões de euros com esse negócio. Um assunto que Bruno de Carvalho despachou para o facebook, mas que na prática, nada explicou. E ainda hoje está por explicar...

 

Quando se processam alguns sócios, para que o "todo" tenha rédea curta, estranho que Bruno de Carvalho não tenha tido uma posição mais firme perante essa capa de jornal. Ou será que há algo difícil de explicar?...

 

Uma coisa é certa: a importância de Montero estava à vista de todos, como também era sabido, que trocar Montero por Barcos em Janeiro, seria um tiro no escuro, tendo em conta, que o jogador vinha de uma longa paragem no campeonato chinês, e que já não é propriamente jovem...

 

Estaria o Sporting com alguns problemas financeiros a resolver no imediato? Se confiarmos na palavra de Bruno de Carvalho, não, não foi por ai...

Afinal, saiu da sua própria boca, que "o Sporting tem uma dupla almofada", e que nesse mesmo mês de Janeiro, se deu ao luxo de recusar 80 milhões a pronto por um jogador...

 

Portanto, ainda menos se compreende esse negócio Montero\Barcos.

 

Nunca saberemos se Montero nos teria dado aqueles 2 pontinhos contra o Rio-Ave, Guimarães e Benfica, de forma a conquistarmos o titulo. Mas, Barcos também não foi capaz de o fazer.

 

Barcos não marcou um único golo, e hoje, não faz parte dos planos de Jorge Jesus para a presente época. E agora, nem Barcos, nem Montero. 

 

Mas uma coisa é certa: não foi o clube e a equipa de Jorge Jesus quem ficou a ganhar com este negócio. E enquanto quem de direito, não pôr tudo em pratos limpos e esclarecer as suas constantes "trocas e baldrocas", será normal que se dê azo a todo o tipo de especulação acerca da credibilidade de quem hoje preside o Sporting Clube de Portugal.

 

Mas, o que interessa reflectir e questionar tudo isto? Afinal, o Sporting é nosso, e eles, até tremem!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

img_770x433$2016_06_20_12_23_13_1118152.jpg

Até haveria, se tivéssemos quem se preocupasse com o médio\longo prazo.

 

Mas em ano de eleições, seria uma chatice vender alguns dos melhores jogadores, pondo em causa a performance desportiva, mesmo que eventualmente pudéssemos lucrar muitos milhões para abater divida.

 

A ver vamos o que acontece efectivamente. Tanto no imediato, como no futuro.

 

#Nãomedeixemcair

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D