Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



phpThumb.jpg

Por mim, nos estatutos seria proibido o presidente ser remunerado, da mesma forma que ninguém podia ser presidente do clube e da SAD ao mesmo tempo.

Se alguém quiser ser presidente, que seja financeiramente-independente, e entregue a gerência da SAD a quem percebe de futebol.

Já seria um bom principio para termos alguém que defendesse de verdade o clube e tivesse a independência suficiente, nem que fosse para se demitir quando já se achasse a mais...

Agora com presidentes do clube e da SAD ao mesmo tempo e com remunerações de luxo, nunca teremos garantias do clube estar a ser defendido de verdade. Com Bruno de Carvalho temos um culto-de-personalidade, e só lhe interessa manter o emprego por mais 4 anos. Acho que é tão evidente, que só um cego não vê...

 

Naturalmente que um presidente da SAD teria que o ser a tempo inteiro e remunerado.

Mas tendo o Sporting (ainda) a maioria da SAD, com um presidente financeiramente-independente, este seria uma figura de "estado", digamos assim. Uma figura com legitimidade para tirar e pôr um determinado dirigente dentro de uma SAD, sem que pudesse interferir directamente na gestão do futebol e da SAD presidida pela pessoa por si escolhida.

 

Por exemplo: o presidente da República é o máximo representante do país, mas não é ele quem governa. Todavia, tem legitimidade para destituir um Primeiro-ministro. Quem governaria, neste caso, seria o presidente da SAD.

 

O presidente apenas teria que acautelar se os verdadeiros interesses do Sporting estariam a ser defendidos. E para que tivessemos essa "certeza", o presidente não podia ser remunerado nem lhe seria exigido que lá estivesse a tempo inteiro. Logo, teria que ser alguém financeiramente-independente, para que não houvesse o risco de termos candidatos oportunistas em tempos de crise (que é quando as massas estão mais vulneráveis para ouvir os chamados "banhas-da-cobra").

 

Vejamos a fórmula que nos levou ao título na época de 1999-2000: José Roquette não sendo um homem do futebol, preferiu entregar a SAD a alguém que tinha experiência na área, neste caso, a Luís Duque.

Não deixando José Roquette de ter sido importante noutros sectores, nomeadamente a nível estrutural e de representação do clube.

 

Em suma:

 

O presidente do clube teria que ter história a vários níveis: currículo, dinheiro, e uma dedicação a 100% sem querer nem poder receber nada em troca; e nunca podendo exercer a função de presidente da SAD. Presidente da SAD esse, que seria escolhido pelo presidente do clube, ou teria um maior peso na sua escolha, pois o Sporting Clube de Portugal embora detenha a maioria da SAD, não está naturalmente sozinho dentro da sociedade. 

 

O presidente da SAD seria um homem com passado no futebol, remunerado e a tempo inteiro, não deixando de ter o escrutínio de quem tem a maioria da SAD a que preside: o presidente do clube.

 

Isto não iria pôr em causa a democracia dentro do Sporting. Cada macaco no seu galho, e o presidente serve precisamente para administrar, e não tem que gerir de forma directa todos os sectores do clube. Tem é que saber rodear-se das pessoas certas para os lugares certos.

Se no final do mandato a equipa administrada pelo presidente do clube não estivesse a corresponder às espectativas, os sócios poderiam perfeitamente eleger outro presidente, naturalmente...

 

Escrevo este artigo, pois parece-me que apesar da criação da SAD, o Sporting não se soube suficientemente blindar contra pára-quedistas.

 

Ou alguém julga que um jovem desempregado que não se conhece o seu passado teria sequer hipóteses de ser candidato nestas circunstâncias? 

 

Basicamente, o Sporting precisa que hajam sportinguistas que apresentem as suas ideias e os seus projectos, estando o clube completamente blindado contra projectos pessoais através do Sporting.

 

Por um Sporting livre e independente!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


6 comentários

De Passaleão a 27.09.2016 às 14:22

A mais perfeita apologia da oligarquia. Os pobres que votem, desde que sejam os ricos a governar.

Que feliz andaria você nos idos de 2000. Nunca pare de escrever posts destes - enquanto o fizer, não se perderá a memória do que chegou a ser o Sporting.

De Conde a 27.09.2016 às 14:51

Então vamos ver o que será o Sporting com quem afirma em Assembleia-Geral coisas como: "não me deixem cair".

De Conde a 27.09.2016 às 14:59

Por acaso fui feliz nos idos de 2000, é verdade.

Como não festejo segundos-lugares...

De comentador desportivo a 27.09.2016 às 23:40

" Por acaso fui feliz nos idos de 2000, é verdade."

Amigo, fomos felizes!
Fui muito feliz.
Grandes tempos!

De comentador desportivo a 28.09.2016 às 00:06

" A mais perfeita apologia da oligarquia. Os pobres que votem, desde que sejam os ricos a governar."

Você sabe o que diz? Ou fala de cór?

" Que feliz andaria você nos idos de 2000. Nunca pare de escrever posts destes - enquanto o fizer, não se perderá a memória do que chegou a ser o Sporting."

Não tenha a menor dúvida que os sportinguistas foram muito felizes!

Contudo á uma seita que se quer passar por sportinguista e que de sportinguista nada tem, não passam duns chulos, parasitas e consumidores que se pudessem apagam os sucessos do clube.

São sportinguistas como o administrador do blog que nos relembram a história grandiosa do sporting, que era só o clube do mundo com mais títulos.
A história que uma seita está a tentar reescrever e adaptar aos seus interesses.

Além disso, também nos alerta constantemente para as falácias, vigarices, do cabecilha da seita.

Por isso para os sportinguistas é de grande importância o que escreve.

De comentador desportivo a 27.09.2016 às 23:36

Caro Amigo

Completamente de acordo!

Excelente post!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D