Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



brunocarvalho52425758.jpg

 

Há 3 anos atrás o futebol do nosso Sporting estava completamente desorganizado, sem qualquer rumo. Dava dó só de olhar para a classificação do campeoanto. Estavamos tristes e frustrados.

 

Na altura da campanha eleitoral, fiquei surpreendido por verificar um apoio tão grande a Bruno de Carvalho. Afinal, quem era o Bruno de Carvalho? Mas confiei na "visão" dos meus consócios sportinguistas, e quando Bruno de Carvalho foi eleito presidente, passei durante muito tempo a apoiar o presidente do Sporting, e não o Bruno de Carvalho. Achava que os adeptos e os sócios do Sporting se deveriam unir em torno do presidente eleito, para mais facilmente ultrapassarmos a crise.

 

Apoiei muitas das suas ideias, como a luta contra os fundos, a credibilização do futebol português, etc etc. Cheguei a pensar que alguém jovem e fora do "sistema", pudesse acrescentar algo de novo ao Sporting e ao futebol português.

 

Até nem era muito de comentar nas redes sociais em fóruns do Sporting. Apenas fazia umas vagas leituras sobre as opiniões dos adeptos. Tinha mais o hábito de comentar em fóruns de futebol, e debater com adeptos do Benfica e do Porto.

 

Então, mais ou menos no inicio da época de 2014-2015, decidi criar esta conta, somente para falar de futebol e principalmente do Sporting. Ao principio nem era o Pedro Neves. Tinha um pseudónimo de Leão Monarca, e só mais tarde passei a ser o Pedro Neves, porque o facebook assim me obrigou. Continuei a defender os pontos de vista do presidente do Sporting. Podem perguntar, por exemplo, ao Ricardo Agostinho, se não é verdade que cheguei a divergir com ele.

 

No entanto, já havia ali algumas coisas que via que não eram perfeitas. Mas não foi por ai que me tornei anti-Bruno de Carvalho. Afinal, a perfeição é impossivel de exigir. Ele sentava-se no banco de suplentes e batia com a mão no peito numa qualquer vitória contra um Arouca desta vida, mas punha-se à margem da equipa quando perdiamos ao "fugir" imediatamente para o banco de suplentes (Sporting 0 - Académica 0 de 2013-2014), ou quando escreveu aquele comunicado a pôr em causa o profissionalismo e a dignidade dos jogadores (Guimarães 3 - Sporting 0). Ou a forma como ele tratou o Manuel Fernandes. Ou a forma como daquela boca saiam termos como "nádegas com trampa". Ou a forma como as auditorias mais começavam a parecer uma caça-às-bruxas, e não tanto uma forma de transparencia. Nas redes sociais vinha-me a aperceber que havia pessoas que defendiam a todo o custo a pessoa do Bruno de Carvalho, e não aquilo que poderia melhor servir o Sporting - roçava mesmo o doentio.

 

Lá no subconsciente não achava que tudo estava bem, mas o que me fez acordar definitivamente do sono, foi o processo Marco Silva e os processos judiciais contra sócios do Sporting. Estes dois episódios demonstraram uma profunda demagogia, mentira, difamação, e um enorme ego. Só não acordou para a vida quem não quis.

 

Um treinador que tinha 4 anos de contrato e que ainda estava na Taça de Portugal, Taça da Liga e Liga Europa (o campeonato estava mais dificil), viu o dono da empresa de catering contratualmente ligado ao clube tentar destruir a sua imagem pública, tudo isto por desentendimentos pessoais com Bruno de Carvalho. Os interesses e o ego do Bruno de Carvalho passaram por cima dos interesses de todo o clube, e tentaram comer os adeptos do Sporting como burros que facilmente iriam cair num plano tão mal traçado e digno de dois putos brincalhões. Obviamente que os adeptos não se deixaram enganar e seguraram o treinador.

 

Passados dias, o Marco Silva foi obrigado a meter jogadores da equipa B e as tais contratações "cirurgicas" contra o Guimarães na Taça da Liga, e que serviram para tentar anestesiar a mente dos adeptos, quando dias antes do episódio José Eduardo, o Bruno de Carvalho enumerou os nomes dos Rabias, dos Slavchevs, dos Sarrs, etc, como sendo os reforços que o Marco Silva teria ao seu dispôr em Janeiro.

 

O Sporting ganhou, e jogou bem. Enquanto o Marco Silva estava com um ar triste pelas tentativas de destruir a sua imagem pelo próprio presidente, Bruno de Carvalho e Augusto Inácio davam uma triste figura no banco de suplentes, fosse com enormes gargalhadas, fosse no final do jogo, com o Bruno de Carvalho a festejar de forma eufórica, como se de uma Champions se tratasse.

 

Mas nós adeptos obrigamos o Bruno de Carvalho a meter a viola no saco, e o Marco Silva teve mesmo que continuar. Até ao final da época o José Eduardo não desistia na sua crónica habitual no jornal A Bola, e continuava a destilar veneno contra o treinador em funções do Sporting.

 

Passadas semanas, soube-se que vários sócios do Sporting foram processados por terem opiniões no facebook. Para mim foi a gota de água. Foi uma ataque a todos nós sportinguistas, e à nossa liberdade de expressão. Foi ai que todas as minhas dúvidas que já vinha a acumular antes do episódio Marco Silva se dissiparam. Estavamos perante alguém sem carácter, cobarde, mentiroso, difamador, e com um ego que se sobrepunha aos interesses do clube.

 

Nunca mais tive confiança nele. E foi ai que me comecei a lembrar das muitas mentiras e demagogias que ele vinha dizendo aos sportinguistas. Uma gestão virada para o populismo e que visa sobretudo a sua reeeição. Afinal, ele próprio apelou numa Assembleia-Geral para que não o deixassem cair. Surreal.

 

Ao longo dos tempos senti legitimidade para usar esta conta para tentar alertar os sportinguistas para o perigo que é ter um Bruno de Carvalho. Afinal, contas fake já existiam, mas eram para prestar vassalagem ao Bruno de Carvalho.

 

Muito do que eu penso da sua gestão está escrito neste post do Dia do Clube: http://diadoclube.blogs.sapo.pt/largos-dias-tem-3-anos-50961 Não vale apena especificar tudo ao pormenor, pois ao longos dos tempos tenho vindo a alertar para tudo isso, e este post já vai longo.

 

Ao longo dos tempos fui-me apercebendo que o sportinguismo está doente. Um sportinguismo que se vira contra a sua própria história. Adeptos que se apelidam de croquetes e brunistas uns contra os outros. Que as auditorias pariram um rato e que só tiveram como propósito fazer do Bruno de Carvalho a "única" pessoa que pode servir o Sporting, pois os restantes são todos "croquetes". Enfim, uma série de parvoices e de falta de amor próprio inacreditáveis. Um seguidismo doentio a um mitómano que não era ninguém antes de "assaltar" o poder.

 

Se o Sporting não vencer o campeonato, e por arrasto nenhuma competição, estes 3 anos de mandato serão manifestamente maus. O "eles até tremem ", ou o "os adversários têm que começar a dar mais luta", o despedimento miserável do Marco Silva com base num dossie ridiculo de 400 páginas, os posts de facebook, as guerras internas e externas, etc etc, não podem passar em claro se nada vencermos. Haja coragem e assumam-se responsabilidades.

 

Mas sabemos que coragem é coisa que não existe em Bruno de Carvalho. Afinal, ele recorreu ao José Eduardo para tentar destruir a imagem pública do Marco Silva, e nem se dignou a estar presente na reunião de despedimento e olhar "olhos nos olhos" em Marco Silva.

 

Até vencermos ou perdermos o campeonato, na dúvida, continuaremos a assistir a guerras internas, a guerras externas, a posts de facebook, a tudo e mais alguma coisa, que faça com que se desviem as atenções para o cancro do clube. Um cancro que finalmente conseguiu emprego através do Sporting, aproveitando-se da então tristeza e desespero pelo estado do futebol do Sporting, mas que teve que seguir a reestruturação-financeira do Godinho, porque afinal, os investidores prometidos nunca existiram. Dai as guerras internas e externas para que não se olhe para o obvio. Que estamos perante um malandreco sem vergonha que não olha a meios para atingir os fins.

 

Alguém que não conhece o Sporting, a sua história, e que a desrespeita e despreza. Uma pessoa que tem o desplante de afirmar que antes dele chegar ao Sporting, ninguém conhecia o clube internacionalmente. Que ridiculariza a história do Sporting dos últimos 50 anos. Que coloca anos e anos de dirigismo do Sporting no mesmo saco. Que divide os sportinguistas entre bons e maus (croquetes, sportinguenses...), Que processa sócios. Que se esconde que nem um rato nas derrotas e deixa os jogadores e treinador sozinhos. Que expulsa um antigo presidente sem lhe ter feito uma única pergunta durante a auditoria, sem que o mesmo pudesse ter contraditório. Que pretende reescrever a história do clube e substituir-se aos simbolos do clube. Etc.

 

Isto não é o Sporting. Não é o Sporting que eu aprendi a respeitar e a admirar. É um Sporting rasca.

 

Infelizmente, tenho vindo a perder o entusiasmo por este campeonato. Desculpem a frontalidade, mas este campeonato não está a ter significado nenhum para mim. Acabe isto como acabar, vai-me ser indiferente. Na eventualidade do Sporting ser campeão, só de imaginar a arrogancia do "eu", do "eu sou o Salvador", "eu sou o Sporting", de me lembrar da triste figura a que ele nos prestou na última final da Taça de Portugal onde foi o centro das atenções; fazem com que eu aos poucos esmoreça.

 

Cada vez mais se percebe a sua frase proferida há 3 anos atrás: "o Sporting é nosso". Hoje faz todo o sentido.
É tempo de dizer BASTA!

 

Nota: Texto publicado no meu facebook no dia 23 de Março de 2016, e que julgo que é importante para complementar com todo este trabalho.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D